Mercado de Grãos

20 Out 2020

Mercado da soja no Brasil tem dia de novas altas nesta 3ª, mas negócios são pontuais

O risco climático é grande este ano em função do La Niña, há um atraso preocupante na semeadura e os traders também deverão acompanhar ainda mais esse desenvolvimento no Brasil.

Os preços da soja brasileira tiveram um novo dia de altas nesta terça-feira (20). O mercado voltou a registrar ganhos consideráveis, como em Campo Novo do Parecis/MT, de 2,67%, para R$ 154,00 por saca ou de 1,91% em São Gabriel do Oeste/MS, para R$ 160,00. 

As cotações nacionais ainda encontram suporte na relação ajustada de oferta e demanda, demanda principalmente por parte das indústrias nacionais, que seguem buscando matéria-prima para concluírem suas atividades de processamento até o final do ano. 

O mercado especulava uma limitação do movimento de altas dos preços da soja no Brasil depois que o governo zerou a TEC (Tarifa Externa Comum) para o produto importado de países de fora do Mercosul. No entanto, esse impacto ainda não pôde ser observado, como já sinalizavam analistas e consultores, dada a oferta muito limitada no Brasil e no mundo, além das questões cambiais e logísticas. 

Mais do que isso, esses fundamentos também ajudam no suporte às altas mesmo diante de uma estabilidade do dólar frente ao real nesta terça. A moeda americana vinha recuando, mas passou a subir levemente no final da sessão e encerra o dia com R$ 5,61. 

O início da safra 2020/21 também preocupa, limita os negócios e faz os sojicultores se concentrarem ainda mais nos trabalhos de campo. O risco climático é grande este ano em função do La Niña, há um atraso preocupante na semeadura e os traders também deverão acompanhar ainda mais esse desenvolvimento no Brasil para o andamento das cotações no mercado internacional. 

BOLSA DE CHICAGO

E este foi um dos fatores que motivou as altas fortes da soja no pregão desta terça na Bolsa de Chicago, principalmente nos vencimentos mais distantes. O maio/21 terminou a sessão com US$ 10,48, subindo 11,25 pontos, e o julho/21 a US$ 10,49 por bushel, com ganho de 10,25 pontos. No novembro, foram 9,75 pontos de avanço, como no janeiro/21, que fecharam com US$ 10,64 e US$ 10,63, respectivamente. 

De 1º a 19 de outubro, o contrato novembro/20 subiu 3,03%, passando de US$ 10,23 a US$ 10,54 por bushel. Já no maio/21, o ganho foi de 1,87%, com a posição saltando de US$ 10,18 para US$ 10,37 por bushel. Os contratos mais curtos sobem mais, justamente, refletindo esta força do consumo, em um momento onde a oferta é mais curta. E mesmo com a colheita norte-americana caminhando bem, registrando índices acima da média. 

Além do clima ainda incerto e com chuvas muito irregulares para que o plantio da nova safra avance no Brasil, a demanda pela soja norte-americana tem sido outro fator importante de combustível para as cotações na CBOT. 

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) informou uma nova venda de soja de 132 mil toneladas para destinos não revelados. Todas as vendas feitas no mesmo dia, para o mesmo destino e com volume igual ou superior a 100 mil toneladas devem sempre ser informadas ao departamento. 

A demanda pelo produto norte-americano permanece forte, com não só as vendas registrando números elevados, como também os embarques norte-americanos já mostrando um aumento de 77% em relação ao mesmo período do ano anterior. Do projetado para ser exportado, mais de 70% já foram vendidos. 

Fonte:
 Notícias Agrícolas

 

Mercado de Grãos
Safras corta previsão para milho 20/21 do Brasil após seca; eleva exportação de soja

A produção total de milho 2020/21 deve alcançar 112,865 milhões de toneladas no Brasil, volume ainda recorde e que supera em 5,65% o resultado da temporada passada.
27 Nov 2020
Milho fecha a semana com mais disponibilidade e preços menores no Brasil
Já a Bolsa de Chicago (CBOT) retomou as atividades após o feriado com apenas meio período de pregão, que foi encerrado com os preços internacionais do milho futuro subindo.
27 Nov 2020
Novo levantamento para safra 20/21 de soja na América do Sul confirma recorde de área e produção
A produção é estimada em 201,30 milhões de toneladas, cerca de 5% acima do recorde anterior (192,40 milhões de t)
26 Nov 2020
Preço do milho fecha a 4ªfeira caindo no mercado físico, na B3 e em Chicago
25 Nov 2020
Para completar o dia vermelho do milho, os preços internacionais do milho futuro caíram nesta quarta-feira na Bolsa de Chicago (CBOT).
Milho cai na B3 e flutua no mercado físico em 3ªfeira de negócios lentos
24 Nov 2020
Os preços internacionais do milho futuro operaram em baixa a maior parte do dia, mas recuperar força e encerraram próximos da estabilidade na Bolsa de Chicago (CBOT).
Milho sobe na B3 seguindo o dólar nesta segunda-feira
23 Nov 2020
A Bolsa de Chicago (CBOT) também teve um dia de ganhos para os preços futuros do milho nesta segunda-feira.
Importações de soja da China em 2020 já ultrapassam em 8% o recorde de 2017
23 Nov 2020
A demanda da China por soja nos EUA tem sido um dos principais pilares de suporte para as expressivas altas da commodity na Bolsa de Chicago.
Brasil exporta 1,2 milhão de t de milho na semana e acumula quase 3,5 milhões em novembro;
23 Nov 2020
A média diária de embarques ficou em 249.705,2 toneladas, patamar 3,15% menor do que a média do mês passado (257.840,9 toneladas).
Preço do milho encerra a 6ªfeira com poucas alterações no Brasil
20 Nov 2020
Os preços internacionais do milho futuro contabilizaram ganhos durante toda a sexta-feira na Bolsa de Chicago (CBOT).
USDA: Vendas semanais de soja e milho dos EUA ficam acima das expectativas do mercado
19 Nov 2020
As vendas semanais norte-americanas de soja foram de 1,387,7 milhões de toneladas na semana encerrada em 12 de novembro.
www.investbras.com.br
Contato
Fone: (34) 3832-0300
Rua Cesário Alvim, 1342 – 2º Piso, Sala 3
Centro - Patrocínio-MG
CEP 38740-040
Notícias sobre:
Investbras
Agente Autônomo de Investimentos

Ouvidoria Terra Investimentos
0800 940 0406