Mercado de Cafe

27 Mar 2020

Café encerra com baixas em NY, com quedas de mais de 700 pontos em dia de aversão ao risco

Café arábica encerrou a sessão desta sexta-feira (27) com baixas de mais de 700 pontos nos principais contratos.

O mercado futuro do café arábica encerrou a sessão desta sexta-feira (27) com baixas de mais de 700 pontos nos principais contratos. Os contratos encerram a semana com baixas, após seis altas consecutivas em Nova York.

A semana foi marcada pela pandamia do Coronavírus, incertezas com os embarques do café e também pelo aperto entre oferta e demanda, em um momento que o mercado começa a perceber que há pouco café disponível para negociação até a entrada da próxima safra, que tem colheita prevista para iniciar entre final de abril e maio. 

A maior desvalorização foi registrada no maio/20 com baixa de 880 pontos, negociado por 115,85 cents/lbp, julho/20 encerrou com baixas de 740 pontos, negociado por 116,75 cents/lbp, setembro/20 registrou queda de 735 pontos, valendo 117,35 cents/lbp e dezembro/20 registrou baixa de 685 pontos, valendo 118,30 cents/lbp. 

 

Destaca ainda que nas últimas seis sessões o café acumulou uma alta de 2580 pontos, número considerado expressivo, positivo para o mercado físico, mas que também foi inesperado e motivados por todas as incertezas que girou o mercado financeiro global nesta semana. Eduardo destaca ainda que é importante observar que na semana a baixa foi de 385 pontos nos contratos para maio, mostrando que o mercado continua apresentando volatividade. 

A valorização do dólar ante ao real também podem ter influenciado diretamente nos preços em Nova York. Nesta sexta-feira, a moeda americana finalizou com alta de 2,22% e cotado por R$ 5,107 na venda. "O dólar fechou em alta de mais de 2% ante o real nesta sexta-feira, chegando a se aproximar de 5,13 reais na máxima, num pregão de fortalecimento da divisa frente a rivais emergentes diante de renovados temores sobre o coronavírus. A moeda emendou a sexta semana consecutiva de valorização, período no qual subiu mais de 18%", destacou a agência Reuters. 

A colheita do café arábica que tem previsão de começar entre maio e junho também gerou certa preocupação do setor. O Ministério da Saúde afirma que o pico da pandemia no Brasil deve acontecer entre abril, maio e junho, meses em que a colheita de café está acontecendo. A preocupação é principalmente de trabalhadores de outras regiões conseguirão viajar para trabalhar nas lavouras e também como ficarão os alojamentos e questões de higienização em tempos de Coronavírus. 

O consumo mundial de café também foi uma questão que chamou atenção dos operadores nesta semana. Após o números de casos do Coronavírus explodirem aumentarem na Europa, Itália e França anunciaram o fechamento de muitos comércios. Em seguida, a Starbucks anunciou o fechamento de mais de 8 mil nos Estados Unidos. Já em sentindo contrário, a China começa a se restabelecer no mercado, inclusive para o consumo do café. 

Já o consumo interno, aponta analistas, que não devem sofrer tantos impactos com a pandemia. Haroldo Bonfá, em entrevista ao Notícias Agrícolas, destacou que os supermercados do país estão bem abastecidos e apesar de, neste momento, muitas padarias e cafeterias estarem fechadas, ele acredita que o consumo do café em casa compensará as baixas. 

A incerteza com os embarques futuros do café também sustentaram os preços na última semana. Trabalhadores de Santos sinalizaram uma possível parada nos trabalho, mas de acordo com o Ministério de Infraestrutura os portos de todo o país seguem operando dentro da normalidade. 

 

Ainda sobre os embarques, o mercado também sinalizou preocupação com os containers da China e se seria possível embarcar para o país asiático após a crise severa que o mesmo enfrentou nos últimos dois meses. Segundo a CNA, os containers que foram pra China já estão voltando para o Brasil, o que também indica que os embarques deverão acontecer sem maiores problemas. 

 

Mercado Interno 

Os preços altos em Nova York deram suporte também para os preços do mercado físico brasileiro. Há dois meses os negócios no mercado interno registravam baixas nas negociações, em razão dos preços baixos que produtores enfrentaram desde o início de 2020. Em feveiro, os principais contratos chegaram e ficar abaixo de 100 cents/lbp. Com as altas das últimas sessões, o físico também reagiu, registrando melhores preços ao produtor. 

 

O tipo 6 duro encerrou com queda de 3,42% em Guaxupe/MG, sendo negociado por R$ 565,00. Poços de Caldas/MG teve desvalorização de 3,34%, valendo R$ 560,00. Em Patrocínio/MG a baixa foi de 2,46%,  cotado por R$ 570,00. A queda mais expressiva foi em Varginha/MG, de 8,06% e negociado por R$ 570,00. 

O tipo cereja descascado teve queda de 3,17%, valendo R$ 610 em Guaxupé/MG. Poços de Caldas/MG teve queda de 3,03% em Poços de Caldas/MG, negociado por R$ 640,00. Patrocínio/MG registrou queda de 2,36%, cotado por R$ 620,00. Varginha/MG teve queda de 7,46%, negociado por R$ 620,00. 

O tipo 4/5 registrou baixa de 6,35% em Varginha/MG, valendo R$ 590,00. Poços de Caldas/MG encerrou com baixas de 3,39%, negociado por R$ 570,00 e Franca/SP teve queda de 3,28%, negociado por R$ 590,00. 

Fonte:
Notícias Agrícolas

 

Mercado de Cafe
Em semana com pouca variação, café finaliza com valorização em Nova York

A queda do dólar durante esta sexta-feira (5) ajudou a dar suporte aos preços técnicos, porém positivos no exterior. Café NY JUL/20 +0,75 98,90.
05 Jun 2020
Café finaliza com baixas em NY motivado pela retomada alta do dólar
Café NY Julho/20 encerrou com queda de 95 pontos, valendo 98,15 cents/lbp. Na BM&F Set/20 café fecha em baixa de -1,15 a 108,35;
04 Jun 2020
Café: As cotações domésticas do café arábica oscilaram fortemente em maio
No começo do mês, os valores foram impulsionados especialmente pela oferta restrita e pela elevação do dólar.
04 Jun 2020
Café NY fecha em alta de 90 pts, com queda do dólar dando suporte aos preços
03 Jun 2020
A queda do dólar também ajudou a dar suporte aos preços no exterior. Números da produção da Colômbia também chamaram atenção do mercado neste pregão; Café NY Jul/20 +0,90 99,10.
Produção colombiana de café cresce 6% em maio e exportação recua 15% no mesmo mês
03 Jun 2020
Dados divulgados pela Federação Nacional de Cafeicultores da Colômbia indicaram que a produção de café na Colômbia no mês de maio foi de 1,2 mi/scs de 60 kg, um aumento de 6% a mais do que no
Preços do café caem em maio, enquanto a volatilidade diminui
03 Jun 2020
Indicador composto da OIC diminuiu 4,1%, para uma média de 104,45 cents/lb em maio de 2020. Em Abr/20 as exportações mundiais atingiram 10,82 mi/scs, 3,1% inferior às 11,17 mi/scs exportadas em ab
Café: arábica oscila com forma em maio
03 Jun 2020
Cotações domésticas do café arábica oscilaram com força ao longo de maio, movimentos de queda estiveram atrelados às desvalorizações internacionais e do dólar e ao início efetivo da colheit
Café tem dia sem grandes variações e queda do dólar dá suporte aos preços em NY
02 Jun 2020
Café arábica finalizou a sessão desta 3ª feira com poucas movimentações na Bolsa de Nova York (ICE Future US); NY Julho/20 -0,10 98,20.
Exportações de café solúvel do Brasil mantêm crescimento apesar da pandemia de COVID-19
02 Jun 2020
De janeiro a abril de 2020, o Brasil exportou café solúvel para 87 países, o que gerou o embarque equivalente a 1,329 mi/scs de 60kg, volume 7,3% superior às exportações do mesmo período do ano
Café NY inicia Junho com valorização, reagindo a estimativa de safra do USDA
01 Jun 2020
Futuro do café arábica começa o mês de junho com valorização na Bolsa de NY (ICE Future US), o curto, Jul/20, fechou a 200pts a 98,30 cents/lb, reagindo aos números do USDA de 67,9 mi/sacas pre
www.investbras.com.br
Contato
Fone: (34) 3832-0300
Rua Cesário Alvim, 1342 – 2º Piso, Sala 3
Centro - Patrocínio-MG
CEP 38740-040
Notícias sobre:
Investbras
Agente Autônomo de Investimentos

Ouvidoria Terra Investimentos
0800 940 0406