Macroeconomia

02 Ago 2022

Dólar tem maior alta em 3 semanas e supera resistência técnica com rali global da moeda

Com grande oscilação intraday, moeda sobe quase 2% nessa terça-feira. Mercados no geral repercutiam as atenções envolvendo China e EUA; DOLCOM +0,1000 5,2770.

SÃO PAULO - O dólar saltou 1,93% nesta terça-feira, na maior alta diária em três semanas e voltando a superar uma resistência técnica, o que deixou o real entre os piores desempenhos globais ao fim de uma sessão brutal para divisas de risco e correlacionadas às commodities, por temores sobre juros mais altos e riscos de recessão e geopolíticos.

O dólar à vista fechou em 5,2771 reais, um pulo de 10 centavos de real ante o encerramento anterior. A cotação variou no pregão de 5,1861 reais (+0,17%) a 5,2813 reais (+2,01%).

A valorização no fim do dia é a mais forte desde 11 de julho (+1,94%), e o patamar de encerramento é o mais alto desde 26 de julho (5,3518 reais).

A moeda, assim, voltou a fechar acima de sua média móvel linear de 200 dias, movimento que, se sustentado, pode anteceder novas valorizações.

O dólar ampliou acentuadamente os ganhos no Brasil e no mundo na parte da tarde, em sintonia com a forte abertura das taxas dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos, após declarações de autoridades do banco central norte-americano indicarem prontidão do Fed para subir os custos dos empréstimos o quanto for necessário para minar a inflação.

Juros mais altos nos EUA aumentam a atratividade da renda fixa norte-americana, estimulando conversão de moedas estrangeiras para o dólar, o que o valoriza.

O índice do dólar contra uma cesta de rivais acelerou os ganhos para 0,9% no fim da tarde.

Moedas de commodities, como os dólares australiano, neozelandês e os vizinhos latino-americanos peso mexicano, peso chileno, peso colombiano e sol peruano, foram as mais golpeadas.

Os mercados de forma geral repercutiram ainda as tensões envolvendo China e EUA, com a presidente da Câmara dos Deputados norte-americana, Nancy Pelosi, em visita à Taiwan, ilha autogovernada e reivindicada por Pequim, que fez alertas a Washington.

A China é o principal comprador de insumos vendidos por vários dos países da América Latina, por exemplo, e qualquer noticiário mais cauteloso sobre a segunda maior economia do mundo pode chacoalhar ativos da região.

O real não fugiu à regra e voltou a sentir com mais força a aversão a risco, em parte por seu "beta" (uma medida de sensibilidade) mais alto.

Analistas dizem que a moeda brasileira está se aproximando de um período mais delicado e pode enfrentar dificuldades para uma apreciação mais consistente.

"Os ruídos das eleições, junto com o cenário global pouco favorável para commodities e com o dólar se fortalecendo contra as demais moedas do G3 (euro, libra e iene), devem dificultar a valorização do real", disseram gestores do fundo Neo Multimercado em material compilado pelo banco digital modalmais.

"Além disso, entramos no período sazonal de mais saídas líquidas. O diferencial de juros tem evitado uma desvalorização maior que a dos pares (peso chileno, peso colombiano, rand sul-africano), mas provavelmente não levará a um carregamento ajustado pela volatilidade alto o bastante para atrair novos fluxos", completaram.

Para o braço de gestão de recursos do BNP Paribas, as recentes medidas do governo brasileiro enfraquecem o quadro fiscal e acabam por ampliar a magnitude do movimento de aversão a risco observado no exterior. A gestora carrega posição vendida em real - ou seja, que ganha com a desvalorização da moeda brasileira.

Fonte:
 Reuters
 

 

Macroeconomia
Dólar vai a R$5,0647 e bate mínima em 2 meses com investidor buscando moedas de juro alto

Dólar encerrou em forte queda, com operadores espelhando a fraqueza da moeda ante divisas emergentes e correlacionadas às commodities em um cenário de esperanças de menor aperto monetário nos EUA
12 Ago 2022
Dólar tem maior alta em mais de 1 semana com mercado vendo juro mais alto nos EUA
O dólar deu um salto, pulando mais de 10 centavos de real entre a máxima e a mínima do dia, acompanhando de perto a recuperação da moeda no exterior.
11 Ago 2022
Dólar reduz queda, mas se mantém abaixo de R$5,10 após inflação menor nos EUA
O dólar fecha abaixo de 5,10 reais, em dia de enfraquecimento generalizado da divisa depois que dados de inflação nos EUA com expectativas de altas mais fortes dos juros por lá.
10 Ago 2022
Dólar flerta com R$5,10 e vai à mínima em 7 semanas antes de ata do Copom
08 Ago 2022
Influenciado tanto pelo menor ímpeto da divisa no exterior quanto por repercussões em curso à tese de que o BC encerrou o ciclo de altas de juros; DOLCOM -0,0550 5,1130.
Dólar desafia movimento externo e cai 1% ante real com fluxo estrangeiro
05 Ago 2022
Influenciado por entradas de recursos pela perspectiva de parada na alta dos juros; Dólar Comercial -0,0540 5,1680.
Dólar à vista fecha em queda de 1,05%, a R$5,2220
04 Ago 2022
Moeda fecha com maior queda em uma semana, seguindo o dia fraco para a divisa norte-americana no exterior na véspera da divulgação de importantes dados de emprego nos EUA; DOLCOM -0,0540 5,2220.
Após superar R$5,30, dólar perde força e fica quase estável à espera de Copom
03 Ago 2022
Moeda alternou quedas e altas, mas acabou ficando no zero a zero ante o real nesta 4ª feira, antes da decisão de juros e ao fim de um dia sem muita direção comum nas praças financeiras globais; D
Opep+ concorda em aumentar meta de produção de setembro em 100.000 bpd
03 Ago 2022
Aumento pequeno que analistas consideram um revés para os planos do presidente Joe Biden, após viagem a Arábia Saudita para pedir maiores volumes que ajudem as economias dos EUA e global.
Após muito vaivém, dólar fecha em ligeira alta em dia fraco no exterior
01 Ago 2022
Dólar começou agosto com bastante volatilidade, com um pano de fundo externo menos favorável a risco diante de temores de recessão e preocupações geopolíticas; DOLCOM +0,0040 5,1770.
Dólar tem maior queda semanal desde 2020, mas segue com prêmio de risco
29 Jul 2022
Findando de uma semana marcada pela melhora do sentimento de investidores por algum alívio nos temores de agressivo aperto monetário nos EUA e por intenções de estímulos na China.
www.investbras.com.br
Contato
Fone: (34) 3832-0300
Rua Cesário Alvim, 1342 – 2º Piso, Sala 3
Centro - Patrocínio-MG
CEP 38740-040
Notícias sobre:
Investbras
Agente Autônomo de Investimentos

Ouvidoria Terra Investimentos
0800 940 0406