Mercado de Cafe

12 Jul 2021

Café: Brasil exporta volume recorde de 45,6 milhões de sacas na safra 2020/21

No acumulado do primeiro semestre de 2021, o Brasil remeteu o também recorde de 20,866 milhões de sacas de café ao exterior, obtendo ingressos de US$ 2,794 bilhões.

Segundo levantamento do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), os embarques nacionais do produto somaram 3,012 milhões de sacas de 60 kg em junho, gerando US$ 423,2 milhões. Com o desempenho, o país registrou novo recorde no fechamento das remessas cafeeiras no acumulado da safra 2020/21, que alcançaram 45,599 milhões de sacas, apresentando alta de 13,3% em relação à temporada 2019/20 e de 10,1% sobre as 41,426 milhões de sacas de 2018/19, até então o melhor desempenho.

Em receita cambial, as exportações do produto nacional ao exterior renderam US$ 5,842 bilhões na safra 2020/21, o melhor resultado nos últimos cinco anos, que representou crescimento de 13,4% na comparação com os US$ 5,154 bilhões do ciclo 2019/20.

O presidente do Cecafé, Nicolas Rueda, revela que o novo recorde reflete a safra 2020/21 exemplar em volume, qualidade e sustentabilidade e que foi possível alcançar o maior patamar histórico das exportações nacionais do produto devido à eficiência comercial e logística dos exportadores brasileiros e ao profissionalismo dos cafeicultores do país.

ANO CIVIL

No acumulado do primeiro semestre de 2021, o Brasil remeteu o também recorde de 20,866 milhões de sacas de café ao exterior, obtendo ingressos de US$ 2,794 bilhões – maior valor desde 2016 –, desempenho que implica alta de 4,5% em volume e de 7% em receita frente ao resultado dos seis primeiros meses de 2020. Na média mensal deste ano, o resultado corresponde a embarques de 3,5 milhões de sacas ao exterior, com receita equivalente a US$ 466 milhões ao mês.

PRINCIPAIS DESTINOS

Entre julho do ano passado e o fim de junho deste ano, o Brasil exportou café a 115 países e os Estados Unidos permaneceram como principais parceiros comerciais. Os norte-americanos elevaram em 5,8% as aquisições do produto frente ao ciclo 2019/20, importando 8,337 milhões de sacas, as quais representaram 18,3% das exportações totais.

A Alemanha, com representatividade de 17,4%, adquiriu 7,948 milhões de sacas (+16,2%) e ocupou o segundo lugar no ranking. As exportações dos cafés nacionais para a Bélgica cresceram 40%, somando 3,833 milhões de sacas. Assim, os belgas saltaram ao terceiro lugar na tabela e responderam por 8,4% dos embarques. Fechando o top 5, vieram Itália, com 2,762 mi/scs (6,1% do total), e Japão, com 2,626 mi/scs (5,8%).

Também merece destaque a inserção de dois países produtores entre os 10 principais mercados compradores do produto nacional na safra 2020/21. A Colômbia ocupou a oitava posição na tabela, elevando suas importações em 150% – para 1,137 milhão de sacas – na comparação com o ciclo anterior e passando a representar 2,5% das exportações totais do Brasil. O México veio na sequência, ocupando a nona posição com a aquisição de 965 mil sacas, ou 2,1% do total.

De acordo com o presidente do Cecafé, esses mercados produtores e exportadores podem ser considerados “novos paradigmas” para os cafés do Brasil. "Eles importam para o consumo interno e para industrializar e comercializar com outros países, como no exemplo dos mexicanos, que vendem muito para os EUA. O México virou uma potência industrial do solúvel e tem demandado cada vez mais grãos brasileiros para isso”, revela.

No acumulado da temporada 2020/21, as exportações de café verde do Brasil para outros países produtores totalizaram 2,697 milhões de sacas, o que implicou incremento de 47,2% em relação às 1,833 milhão de sacas embarcadas na safra antecedente. Além de Colômbia e México, fecham a lista das cinco principais nações produtoras que mais importaram café in natura brasileiro o Equador (201 mil sacas / +124,6%), República Dominicana (139 mil sacas / +217,6%) e Vietnã, o segundo maior produtor global do produto (95 mil sacas / +27,2%).

TIPOS DE CAFÉ

Com o embarque de 36,917 milhões de sacas na recém-encerrada temporada, a variedade arábica respondeu por 81% do total remetido ao exterior de julho de 2020 ao fim de junho deste ano e obteve o melhor desempenho de todos os tempos. Outro recorde foi registrado nas exportações de café canéfora (robusta e conilon), que envolveram 4,715 milhões de sacas exportadas, com representatividade de 10,3%. Na sequência, vieram solúvel, com 3,936 milhões de sacas (8,6%) e o produto torrado e moído, com 30.704 sacas (0,1%).

CAFÉS DIFERENCIADOS

A exportação dos cafés com qualidade superior ou que possuem certificações de práticas sustentáveis responderam por 17,3% dos embarques brasileiros na safra 2020/21. Com o envio de 7,889 milhões de sacas ao exterior, os frutos diferenciados apresentaram crescimento de 16,4% ante as 6,775 milhões de sacas registradas no ciclo anterior e geraram uma receita da ordem de US$ 1,310 bilhão.

PORTOS

O complexo marítimo de Santos (SP) seguiu como o principal despachador dos cafés do Brasil na safra 2020/21, com 34,813 milhões de sacas partindo do litoral paulista, o que correspondeu a 76,3% do total. Na sequência, vieram os portos do Rio de Janeiro, que responderam por 16,6% do total ao embarcarem 7,565 milhões de sacas, e Vitória (ES), com a remessa de 1,550 milhão de sacas, respondendo por 3,4%.

DE OLHO NO FUTURO

Em função da retomada da economia em importantes potências mundiais, como  os EUA e países da Ásia, especialmente a China, o transporte marítimo global enfrenta intensos desafios relacionados ao transporte de cargas, que passa por grave crise operacional. Com o avanço da vacinação nessas nações, a demanda deixou de ser reprimida e houve aquecimento na procura por produtos alimentares e eletrônicos, o que gerou congestionamentos nos portos norte-americanos e asiáticos.

Esse cenário gerou sucessivos cancelamentos de bookings, dificuldade para novos agendamentos de embarques e concorrência por contêineres e espaço nos navios. “Esses gargalos de infraestrutura e logística são preocupantes e impactam o desempenho das exportações brasileiras de café, pois os portos norte-americanos e asiáticos operam com capacidades máximas devido ao desbalanço do comércio global", explica o presidente do Cecafé.

Segundo Rueda, agregando a excelente safra em volume e qualidade de 2020 com a menor colheita de 2021, por conta da bienalidade e das irregularidades climáticas, a oferta dos cafés do Brasil parece estar equilibrada com a demanda mundial. “Os exportadores continuam monitorando a colheita deste ano e as condições de desenvolvimento para o ciclo 2022, assim como seguem atentos ao panorama do consumo global, que parece animado para o cenário pós-Covid-19, com o avanço da vacinação, e para qual o produto brasileiro é essencial. Assim, a boa hora dos cafés do Brasil parece perdurar no cenário mundial”, conclui.

Fonte:
 Cecafé

 

Mercado de Cafe
Café tem dia de correção nos preços e NY encerra com queda de 600 pontos

O mercado futuro do café arábica encerrou as negociações com ajustes nos preços na Bolsa de NY. CAFÉ NY SET/21 -6,05 201,75
27 Jul 2021
Café: Com risco de ter nova geada, cotações sobem mais de 1800 pontos em NY
O mercado futuro do café arábica fecha em alta no pregão desta segunda-feira (26) na Bolsa de Nova York (ICE Future US). CAFÉ NY SET/21 18,80 207,80
26 Jul 2021
Conab faz acompanhamento especial do impacto das geadas nas lavouras
Equipes da Companhia estão em campo, onde há uma provável mudança nas expectativas de produção das culturas de café, cana-de-açúcar e grãos, em especial o milho e o trigo.
23 Jul 2021
Café: Em terceira sessão seguida de alta, preços em NY fecham acima de 190 cents/lbp
22 Jul 2021
O mercado futuro do café arábica segue operando com ganhos expressivos, refletindo o frio e as preocupações com a oferta do Brasil. CAFÉ NY SET/21 17,65 193,65
Café: Arábica fecha com mais de 900 pontos e contratos ultrapassam 175 cents/lbp em NY
21 Jul 2021
Futuro do café arábica fecha com valorização na Bolsa de NY. Ainda refletindo os danos climáticos no Brasil. CAFÉ NY SET/21 9,20 176,00
Café arábica sobe mais de mil pontos com clima e preocupação com a oferta do Brasil
20 Jul 2021
Café arábica sobem mais de 1000 pts, o equivalente a mais de 7%, no pregão desta terça-feira (20) na Bolsa de NY. CAFÉ NY SET/21 10,40 166,80
Em dia de aversão ao risco, arábica acompanha demais commodities e recua 3,07% em NY
19 Jul 2021
Café arábica em baixa. Em um dia marcado por quedas das commodities, alta do dólar, aversão ao risco com a variante delta e queda expressiva do petróleo. CAFÉ NY SET/21 -4,95 156,40
Café: De olho no BR, arábica intensifica ganhos em NY nesta sexta-feira (16)
16 Jul 2021
O café arábica fecha com valorização para os principais contratos no pregão desta sexta-feira (16) na Bolsa de NY. CAFÉ NY SET/21 4,30 161,35
Café: Bolsas de NY realizam lucros após altas nas últimas sessões, e fecha em leve alta
15 Jul 2021
O mercado futuro do café arábica fecha em leva alta para os principais contratos na Bolsa de Nova York. CAFÉ NY SET/21 0,45 157,05
Café/Cepea: Tempo seco favorece avanço da colheita de arábica
14 Jul 2021
Levantamento do Cepea mostra que, até a última semana, cerca de 50 a 60% da produção havia sido colhida na região das Matas de Minas/Zona da Mata Mineira e 30% no Sul de Minas e na Mogiana (SP).
www.investbras.com.br
Contato
Fone: (34) 3832-0300
Rua Cesário Alvim, 1342 – 2º Piso, Sala 3
Centro - Patrocínio-MG
CEP 38740-040
Notícias sobre:
Investbras
Agente Autônomo de Investimentos

Ouvidoria Terra Investimentos
0800 940 0406